O que significa desenvolver Gestão Democrática em escola?
Bom, está lançado o debate. Agora pode expor suas idéias e conhecimentos. Zé Mário

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Gestão compartilhada exige liderança escolar preparada.

A construção, manutenção e bom funcionamento das relações entre escola, família e comunidade requer, antes de mais nada, uma liderança escolar forte e democrática.
É o compartilhamento da gestão na escola, distribuída entre todos os segmentos envolvidos, que vai caracterizar uma gestão participativa, capaz de atender às necessidades dos alunos no processo ensino-aprendizagem mais amplo: aquele que além de construir conhecimentos também prepara para a vida pessoal e profissional e para o exercício da ética e da cidadania.

O gestor- líder é aquele que volta suas ações para os bons resultados da educação e esse objetivo é buscado pela divisão de tarefas e integração de idéias e ações, de forma a se solidificar um grande compromisso com as famílias e comunidades envolvidas. O compartilhamento de um propósito comum entre escola, família e comunidade em torno de uma educação de qualidade para as crianças e adolescentes, nasce a partir da liderança e pode, inicialmente, se manifestar por meio de projetos e ações que, aos poucos, vão desaguar em uma gestão conjunta e parceira, capaz de realizar sonhos e planos que, em um primeiro momento, pareciam impossíveis e muito distantes.

Saber chamar e envolver a família e a comunidade, respeitando suas opiniões, discutindo democraticamente suas idéias e aspirações e promovendo a realização de um trabalho integrado são requisitos indispensáveis ao exercício da liderança compartilhada e competente em gestão escolar.

É preciso refletir sobre a participação da comunidade dentro da escola, num processo em que tenham o poder de decidir e agir, sendo atores escolares, sujeitos de sua história. É preciso romper com o modelo tradicional de educação, através do cultivo da participação, do trabalho
coletivo, da ação colegiada, da realização pelo bem comum.

É preciso possibilitar momentos de experimentação da democracia na escola para se tornar uma prática efetiva, conslidada e possível de ser efetivamente vivenciada.


Michele Santana Pacheco de Almeida

Um comentário:

Janaina disse...

Realmente Michelle, a participação é o que sustenta a Gestão Democrática. A educação, "mais que um dever do Estado, é um dever da família" (BUENO, 1996:58) e da sociedade local. Portanto, o educador deve buscar através do seu fazer educativo e da avaliação desse fazer, alternativas possíveis para efetivar a construção de uma sociedade e escola democrático-participativas. Dentro dessa visão, acredito que falar em autonomia e em liberdade como fatores relevantes e possibilitadores da comunicação aberta chega a ser redundante. Gestão democrática é a que permite planejamento/ação participativa, envolvendo TODOS os sujeitos capazes de falar, agir, discutir e de decidir - onde todos os segmentos detêm o mesmo direito de se manifestar e tomar decisões.
A consolidação da participação democrática da comunidade escolar - alunos, professores, pais de alunos, diretores, vice-diretores, coordenadores e funcionários da escola e da comunidade local,deve objetivar a melhoria da credibilidade, da eficiência e da eficácia da organização escolar. Mas a participação pretendida implica incorporação ativa, diálogo, controle democrático cooperação, compromisso, competência e, consequentemente, mudança de papéis. Dessa forma, considero que PARTICIPAÇÃO é uma ação consciente que envolve responsabilidade, VONTADE, tolerância, solidariedade...
Se faz necessária uma participação positiva e voltada para a ação efetiva e de qualidade, constituindo-se como uma estratégia de contribuição inevitável para garantir a democratização da educação e do ensino e, certamente, a formação de indivíduos autônomos. Entretanto, não devemos confundir democracia e democratização pois são coisas diversas. A democracia é o valor que faz parte do ideário das pessoas e a democratização é o processo pelo qual se constrói a democracia. Nesse sentido, vale ressaltar que não pode haver democracia plena sem pessoas democráticas para exercê-la. Dificilmente teremos um professor relacionando-se de forma consequente, num processo de participação democrática da comunidade na escola, se sua relação com os alunos em sala de aula continuar autoritária (o que geralmente acontece na nossa realidade educacional). Cabe a nós, como educadores, o dever de transformar essa realidade.

- Janaína Santana -